Google+ Followers

quarta-feira, janeiro 27

Continuação da história - Tempos difíceis



As mudanças que começavam a se manifestar no meu corpo não mudavam em nada a minha forma de ser, eu continuava sendo a mesma criança que subia às árvores e vivia no mundo dos sonhos. Aquele novo corpo que começava a insinuar-se era como se não fosse meu e eu não lhe dava muita importância.
No entanto tinha agora uma melhor percepção da realidade, observava com maior atenção a realidade que nos rodeava e apercebia-me com mais clareza das dificuldades que os meus pais atravessavam. Foram tempos muito cruéis, faltava quase tudo, por vezes nem chegava para uma comida decente. Sei que a minha mãe deixou muitas vezes de comer para poder dar aos filhos algum alimento.
As roupas estavam velhas e não havia como comprar outras, mas ela dava sempre um jeito de encontrar alguns tecidos baratinhos nos mercados e fazer, ao menos, uma fatiota decente para a missa de domingo. Ela estava envelhecida, o cabelo estava agora mais comprido e ela o atava num rabicho sob a nuca.
 Foi nesse tempo que ela começou a criar umas galinhas -felizmente em todas as casas por que passamos havia sempre um quintal ou um pequeno terreno – para garantir os ovos e alguma carne. Mais do que nunca ela preferia morar longe das cidades e dos seus conterrâneos e sempre que era preciso mudar de casa preferia uma casa no campo. Essa foi uma das razões pelo qual o meu pai estava quase sempre longe de nós.
Entre um negócio e outro, sempre falhado, ele voltava a trabalhar na construção civil, e geralmente os trabalhos eram próximos das cidades grandes. Quando ele vinha a casa era uma festa, e depois a minha mãe tinha que se governar com o dinheiro que ele deixava até à sua próxima visita, o que era sempre muito difícil. Se algo faltasse ela não tinha ninguém a quem recorrer.
Depois do negócio dos perus, estávamos agora numa terra chamada Montalbán, encaixada num vale rodeado de montanhas onde às onze horas o gerador da luz eléctrica era desligado e um nevoeiro fantasmagórico rodeava a população.