Google+ Followers

sábado, outubro 24

A bodeguita da esquina

Nem tudo era pacífico naquela casa, não apareciam lá apenas passarinhos! Apercebemo-nos que o português que tinha a bodeguita da esquina (pequena mercearia), onde comprávamos os produtos de primeira necessidade, era assaltado semanalmente. A bodeguita estava encaixada na sala da casa onde o homem morava, mas toda a gente sabia que ele ia sempre visitar uma mulher que tinha em Soledad, do outro lado do rio, no sábado á noite. Esse era o dia que os larápios aproveitavam para se fornecer no negócio do português.Dinheiro não levavam, mas esvaziavam o local de bebidas, principalmente rum e cerveja, tabaco e produtos enlatados.

O que não sabíamos era que os ladrões atravessavam parte do terreno que rodeava a nossa casa e saltavam o muro para assaltar a bodega. Isto só foi descoberto quando o português, cansado de tanto assalto, chamou a polícia, porque, além do prejuízo económico, também lhe complicava a vida amorosa, pois o impedia de visitar a namorada de Soledad. Ele tinha mulher e filhos em Aveiro, de onde era natural, mas a solidão era terrível e ele necessitava amenizar os seus dias. A minha mãe que era algo atrevida, várias vezes lhe tinha chamado a atenção por isso mas ele só encolhia os ombros e sorria.
Durante as investigações a polícia bateu à nossa porta e procurou vestígios dos bandidos encontrando algumas latas de atum em conserva, português por certo, bem perto do muro que separava as duas habitações, confirmando assim que era esse o caminho que os levava até a propriedade do comerciante.
O curioso era que a cadela Mónega nunca dava sinal, seguramente que eles já não eram estranhos para ela, ou então era subornada com algum bocado de chouriço ou fiambre, não sei, mas pelo visto ela não guardava apenas a casa, também acobertava os bandidos…
Esta situação não nos deixou muito sossegadas, a mim e à minha mãe, particularmente quando o meu pai não vinha a casa e por isso, nas semanas seguintes, nos sábados à noite ficávamos vigilantes, mas nunca descobrimos nada. Ao que parece, depois de ter feito queixa à polícia os assaltos acabaram, não sei se por temor às autoridades ou porque o português bodeguero deixou de namorar no outro lado do rio.