Google+ Followers

sábado, outubro 31

As vespas

Continuei subindo às árvores até aquele dia fatal em que fui atacada por um enxame de vespas. Estava num dos ramos mais altos da mangueira quando vi numa folha, bem perto de mim, uma pequena vespa, com um gesto ligeiro bati na mesma para afastá-la, ao fazê-lo bati num vespeiro que estava entre as ramas.
Nem preciso dizer, umas vespas  pequeninas,pretas e amarelas, me  atacaram fúriosamente  na cara, nos braços, em tudo o que estava a descoberto! Entrei em pânico, por um momento pensei em me atirar do alto da árvore, mas olhei para chão e considerei que era melhor não o fazer. Desci com muita dificuldade escorregando entre os ramos e o tronco levando presas a mim as vespas e os seus ferrões e ao chegar ao chão corri até casa e me meti debaixo do chuveiro, enquanto chamava desesperadamente pela minha mãe.
Ela não sabia muito bem o que fazer, começou por retirar uma a umas as vespas que estavam presas nos meus cabelos longos e tratou de extrair os ferrões. Eu sentia que estava a inchar a cada momento, a minha cabeça estava cheia de altos assim como a cara, pouco tempo depois senti dificuldade em abrir os olhos, os lábios estavam enormes…
E...