Google+ Followers

domingo, julho 12

Sobre Luisa Grande

Se citei Luísa Grande é porque esta mulher, nascida em Portalegre a 15 de Fevereiro de 1875,viveu no Jardim do Mar e foi lá que sofreu a maior desilusão da sua vida e onde terminou o seu casamento.

Filha do Secretário-geral do Governo Civil do Distrito do Funchal, Eduardo Dias Grande e de D. Luís Ana de Freitas Lomelino, começou a ganhar o gosto pela leitura desde muito nova, porém na escrita só embarcou na idade adulta.

Casou com Francisco João de Vasconcelos herdeiro do morgadio do Jardim do mar, proprietário da Quinta da Piedade e do engenho de açúcar. Durante os anos em que durou o casamento passou grandes temporadas no Jardim do Mar, na Quinta da Piedade. Divorciou-se em 1910, aos 36 anos, graças a uma lei aprovada durante a implantação da República. Nunca voltou a casar, passando o resto dos seus dias a viajar entre o Continente, Paris e Funchal.

Numa época em que as mulheres estavam afastadas da vida pública, a escrita era uma fuga possível. Luísa Susana Grande Freitas Lomelino chegou a ser considerada o “Eça de saias”. Sob o pseudónimo de Luísa Grande, escreveu alguns livros e poemas. Ficou cega, e morreu em 1945, aos 70 anos, na Quinta da Rua do Jasmineiro, no Funchal.

A Madeira era a sua terra adoptiva. Apesar de ter sido uma poetisa de grande sensibilidade e ter escrito e publicado vários livros, é pouco conhecida na Madeira e, no Jardim do Mar, quase não existem traços dela.

Sobre a vida particular de Luísa nos tempos que viveu no Jardim, espero encontrar informação na minha próxima visita à ilha. Até porque, de certo modo, a sua história está ligada à história da minha família.

A pouca informação que existe sobre Luísa Grande pode ser encontrada aqui:

http://bmfunchal.blogs.sapo.pt/2788.html